6.02.2009

Singela homenagem de amizade

pela primeira vez neste blog dedico uma postagem ( S. Paulo )
é com uma imensa alegria que dedico este pouco da vida de S. Paulo (sua conversão) ao meu amigo Fernando Duarte, que vive neste momento a alegria de coração cheio do amor de Jesus tão cheio que transborda e quem está ao seu redor nota isso, todo ele é amor, todo ele é solidariedade todo ele é alegria , depois de tantas coisas menos boas que lhe tem acontecido eis que ele encontra mais forças para tudo encarar e ultrapassar, que essa serenidade e amor a Jesus seja tanto que quanto mais ele der aos outros mais tenha para ele.
Nesta homenagem singela amigo Duarte.
OBRIGADO POR SER MEU AMIGO

S. Paulo e sua Conversão

PERSEGUIÇÃO AOS CRISTÃOS O acontecimento da morte do Diácono Estevão, desencadeou uma sistemática perseguição de Saulo contra a Igreja de Jerusalém. Por sua vontade, fez um pacto com as autoridades do Sinédrio objetivando destruir a “seita” de JESUS. Todos que seguiam a doutrina do SENHOR, homens, mulheres, jovens e velhos, eram perseguidos e presos, encarcerados e em muitos casos, eram maltratados, flagelados e mortos, não escapava ninguém. Os cristãos, com exceção dos Apóstolos, fugiram apavorados como podiam e se dispersaram pelas regiões da Judéia e da Samaria. Por outro lado, como conseqüência do abominável episódio da morte de Estevão, que foi lapidado pelos próprios colegas de aula, as autoridades judaicas e romanas reagiram contra aquele procedimento cruel e fecharam a Escola de Gamaliel, considerando-a excessivamente tolerante. Saulo contudo, não esmorecia em seu ímpeto, devastava a Igreja penetrando nas casas dos cristãos e arrancando os moradores à força, metia todos eles na prisão. Aquelas casas que não atendessem ao chamado e não abrissem a porta de entrada, ele mandava arrebenta-la a machado. E no seu zelo farisaico de exterminar os fieis de CRISTO onde os encontrasse, cheio de ira, respirando ameaças e morticínios contra os discípulos do SENHOR, foi procurar o Sumo Sacerdote e lhe pediu cartas de apresentação para as sinagogas de Damasco. Não satisfeito com sua atuação em Jerusalém, quis amplia-la, a fim de trazer agrilhoados para a Judéia os cristãos que estivessem na Síria, homens e mulheres. Saulo contava com a conivência dos Sacerdotes Sírios, a fim de que eles lhe indicasse os nomes das famílias dos cristãos de Damasco, para que os seus soldados pudessem prender todos eles e “limpar a cidade”. Assim, repleto de propósitos funestos, iniciou a viagem com uma escolta de quatro cavaleiros. A CAMINHO DE DAMASCO A cavalo, no meio de seus soldados, mostrava-se irritado por causa do ardentíssimo sol de verão, à medida que avançava pelas terras calcinadas da Itureia, onde já não chovia há seis meses. No trajeto surgiam pequenos vales com uma mirrada vegetação verde que se salvou e não foi devorada pela última geada de inverno, mas agora estava sendo castigada pelo sol do estio. Cautelosamente em fila, os cavaleiros seguiam defendendo-se dos abismos. Galgavam as encostas para alcançarem as gargantas dos vales e desciam pelo caminho mais suave, apreciando o panorama de cada região. Depois de muito cavalgar tiveram alívio, quando atravessando uma garganta estreita, avistaram a extensa planície da Síria, com as produtivas terras damasquinas, oásis floridos e verdes, campos formosos e férteis, regados pelos rios Abana e Farfar. Enquanto apreciavam e conversavam sobre a beleza do solo sírio, eis que de súbito, uma fulgurante luz vinda do céu incidiu violentamente sobre Saulo, assustando o animal e arremessando-o ao solo, ao mesmo tempo em que se ouviu uma voz: - “Saulo, Saulo, porque me persegues?” (At 9,4) - “Quem es tu SENHOR?” (respondeu Saulo, atônito e sem ação) - “EU Sou JESUS, a quem persegues. Levanta-te, entra na cidade, e ser-te-á dito o que deves fazer.” (At 9,5-6) Com estas palavras, desapareceu a luz brilhante que incidia sobre Saulo. Os soldados, seus companheiros de viagem, perplexos e mudos de espanto, acompanhavam os acontecimentos. Observaram o esplendor luminoso e ouviram a voz que conversava com o perseguidor, mas não viram quem falava. Ajudaram Saulo a se levantar do chão e embora ele tivesse os olhos abertos, não enxergava nada. Foi conduzido pela mão até Damasco. Durante três dias ficou sem ver e pela sua própria vontade, não quis se alimentar. Envolto num turbilhão de pensamentos, repassava em sua mente os últimos acontecimentos, desde a morte de Estevão, a perseguição que desencadeou aos cristãos, sua viagem a Damasco e aquela impressionante ocorrência. Na verdade, todos aqueles fatos atuaram decisivamente sobre a sua vida. CONVERSÃO DE SAULO Vivia em Damasco um discípulo de JESUS chamado Ananias. O SENHOR apareceu-lhe em visão e disse: - “Ananias, vai à rua Direita e procura, na casa de Judas, um homem chamado Saulo, de Tarso. Veja ele está orando”. (Ananias teve uma visão). (At 9,11) E também, naquele mesmo momento, o SENHOR proporcionou a Saulo uma visão: ele viu um homem chamado Ananias que entrava onde estava e lhe impunha as mãos, para que ele recuperasse a vista. Ananias respondeu a JESUS: - “SENHOR, ouvi de muitos, a respeito deste homem, quanto mal ele fez a teus santos em Jerusalém. E está aqui com plena autoridade dos sumos-sacerdotes para aprisionar os que invocam o teu nome.” (At 9,13-14) Mas o SENHOR ordenou: - “Vai, porque este homem é para mim um vaso escolhido para levar o meu Nome diante dos gentios, dos reis, e dos filhos de Israel. EU Mesmo lhe mostrarei o quanto lhe será preciso sofrer por causa do Meu Nome.” (At 9,15-16) Ananias partiu obedientemente para cumprir a ordem do SENHOR. Entrando na casa, imediatamente foi ao encontro de Saulo. Aproximou-se e lhe impôs as mãos, dizendo: - “Saulo, meu irmão, quem me envia é o SENHOR, esse JESUS que te apareceu no caminho por onde vinha, a fim de recuperar a vista e ficar repleto do ESPÍRITO SANTO.”(At 9,17) Logo caíram dos olhos de Saulo uma espécie de escama e ele recobrou a visão. Então compreendeu que aquela era uma manifestação clara do perdão Divino. Feliz por encontrar o SENHOR, pediu para ser batizado a fim de tornar-se cristão. No mesmo dia, Ananias levou-o ao rio Bareda onde batizavam os fieis e ele foi batizado por um sacerdote. Agora, o Saulo pagão ficou no passado e nasceu das águas do rio, através do Sacramento do Batismo, um homem novo, outro guerreiro fiel, forte e destemido a serviço de DEUS. Terminada a missão de seu ministério, Ananias despediu-se e partiu. Sozinho com seus pensamentos, Saulo que era de muitos estudos, compreendeu o chamado Divino e segundo a Vontade do SENHOR, teria uma missão especial de evangelizar os pagãos e converte-los ao cristianismo, seria de fato o Apóstolo dos gentios. A partir desta época, no ano 36 de nossa era, com 26 anos de idade, consagrou definitivamente a sua vida com todas as suas forças, ao serviço e ao amor de CRISTO. Mas naquele momento precisava organizar a sua mente, arrumar o seu raciocínio e também se ocultar em algum lugar seguro, onde não fosse encontrado, porque os judeus queriam mata-lo. Em Damasco, o etnarca do rei Aretas, havia colocado vigias pela cidade para descobrir o seu paradeiro. Os cristãos observando a transformação ocorrida em Saulo e lembrando os depoimentos de Ananias, que tinha recebido do SENHOR a ordem de restituir-lhe à visão, decidiram acolher a conversão do "antigo perseguidor" e se uniram para ajuda-lo a fugir dos judeus. No entardecer daquele dia, acompanhado de alguns cristãos e vestindo um manto comprido como disfarce, levando um amarrado de mercadorias em sua cabeça, ao modo dos negociantes, saíram pelo portão principal da cidade sem serem observados e se dispersaram. Os outros voltaram para Damasco enquanto ele seguiu em direção ao sul, ao reino dos nababeus, na Arábia, onde permaneceu aproximadamente dois anos e alguns meses no deserto. (Gal 1,17) Inspirado pelo ESPÍRITO SANTO, no momento oportuno voltou a Damasco para pregar o Evangelho de JESUS.(At 9,20)